em Cláudia Leitte, Péricles, Zezé de Camargo e Luciano, Cidade Negra, Nação Zumbi. Mas, no hall dos nomes locais, há também Wilma Araújo, Vitor Pirralho, Milane Hora, Wado, Unidade Nova Praia. Em sua quarta edição, o Maceió Verão, que se inicia neste sábado (6), traz atrações que prometem agradar a todas as tribos.

Agora em novo formato, realizado por meio de uma parceria público-privada, o evento também vem com outra novidade: sai a Praça Multieventos e entra o Estacionamento do Jaraguá – que neste primeiro dia recebe, em shows a partir das 16h, Cláudia Leitte, Léo Santana, Igbonan Rocha e Wilma Araújo.

As mudanças deram outra cara ao festival, que em anos passados conquistaram a população com uma programação mais voltada para o pop rock. O novo rumo tem uma explicação: a entrada da empresa Branco Promoções, vencedora da licitação realizada pela Prefeitura da capital.

Foi ela a responsável por montar a programação nacional e ainda por organizar a parte estrutural do Maceió Verão. Ao município, ficou a responsabilidade de selecionar os artistas locais. Juntos, poder público e privado dividem a conta da iniciativa, orçada em cerca de R$ 3 milhões.

Para diminuir ainda mais os custos, a administração municipal buscou patrocínios, como explica o presidente da Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac), Vinicius Palmeira. “O governo ficou com uma cota de R$ 1,5 mi. Começamos a captar parceiros e entraram a Caixa Econômica e o Sebrae. Ficamos com R$ 900 mil, então nos desoneramos em dois terços do custo geral”.

Ele comemora o feito. “Isso é muito bom porque mantivemos o produto importantíssimo para a cidade, que tem um carinho enorme da população. Encontramos uma solução que permite a desoneração e também as participações efetivas de alagoanos no palco, além de trazer novidades de fora”, completa.

A manutenção de artistas locais, inclusive, era uma das exigências da Fmac. O outro foi que o evento continuasse no fim de tarde, pegando quem volta da praia e continuando a aquecer a noite no pós-festa – os shows acabam às 22h e o esperado é que o fluxo de público siga para os bares e restaurantes.

A terceira era a manutenção de uma programação cultural na alta temporada, quando a cidade está cheia. “Precisamos de produtos para oferecer, não podemos ficar só no sol e mar”, explica Vinicius Palmeira, acrescentando que a ideia era também profissionalizar a empreitada. “Abrimos também para profissionalizar, porque o governo passa a ser não o produtor, mas um cotista e tem a condição de cobrar os serviços”.

Camarotes e estrutura

Como contrapartida, a empresa ficou com a captação de patrocínios nacionais e a exploração de camarotes e da venda de comida e bebida no local. Vendido entre R$ 80 e R$ 100 – dependendo do dia -, o camarote, por exemplo, dará acesso também ao frontstage e ainda traz a proposta de open bar de água, refrigerante e cerveja.

Segundo a responsável pela Branco Promoções, Jucy Monteiro, o espaço terá ainda uma praça de alimentação e pode receber até 2500 pessoas por dia. O ingresso pode ser comprado no site do Maceió Verão e a troca acontece no dia das apresentações, com a apresentação do voucher.

Já a comercialização de alimentos será feita por meio de uma parceria com food trucks da cidade. Ao todo, 15 deles serão montados dentro do Estacionamento do Jaraguá. As bebidas serão vendidas no bar que ficará sob responsabilidade da própria produção do festival e ambulantes não terão acesso ao local fechado.

Também não será possível entrar com coolers ou caixas de isopor. De acordo com Jucy, o objetivo é manter a segurança. “O público não poderá entrar ainda com mesas e cadeiras. Será feita uma revista rigorosa, com detectores de metal. Estaremos trabalhando para garantir a segurança de quem for acompanhar o festival e não será permitido entrar com nada que ofereça perigo em uma briga ou discussão”.

Além da Polícia Militar de Alagoas (PMAL) e da Guarda Municipal, que ficarão com a segurança dentro do evento e no entorno, foram contratados ainda agentes de vigilância privada, que serão alocados na parte dos camarotes e no backstage, onde ficam os camarins dos artistas. Entre 20 e 30 mil pessoas são esperadas por noite.

“Estamos com boas expectativas e otimistas. É um desafio propor o novo, mas está valendo a pena e Maceió merece. Estamos trazendo isso principalmente do ponto de vista de estrutura. Temos uma parceria com uma das maiores produtoras de instalação de estrutura de eventos do mundo. É um palco que não deixa a desejar para nenhum Rock in Rio”, explica Jucy.

Programação

Em sua quarta edição, o Maceió Verão tem hora para começar e acabar: às 16h se iniciam os shows, que devem ser finalizados até às 22h – Léo Santana, primeira atração nacional, começa a cantar às 18h. Com um horário apertado para as apresentações, Jucy explica que não haverá atrações entre as já anunciadas.

“Para otimizar o tempo, nos intervalos apenas os técnicos estarão no palco montado para a próxima banda”, diz ela, que acredita que a programação de 2018 deve agradar a gregos e troianos. “Ela é rica, plural, diversa, para todas as tribos e para as pessoas curtirem e ficarem felizes”.

As escolhas, porém, foram alvo de crítica de parte do público, acostumado ao já tradicional pop-rock apresentado nos anos anteriores. Vinicius Palmeira acredita na democratização do evento. “No serviço público, não estamos aqui para tratar de gosto, mas de acessos, de que o povo tenha acesso gratuitamente a um espetáculo com nomes nacionais. Os gostos não podem estar em questão”, diz.

Ao contrário do set list nacional, porém, a parte local ficou sob responsabilidade da Fundação. “O que posso dizer é que, com relação à programação local, temos o maior orgulho, só apresentamos o ouro. Todos são profissionais de peso da nossa terra. Os artistas locais foram selecionados pela sua história, pelo público que arregimentam”.

Transmissão

Quem quiser, poderá acompanhar tudo isso de casa. Este ano, o festival será transmitido ao vivo na TV Mar e no Portal Gazetaweb. A transmissão começa às 16h, quando também se inicia o evento, e deve prosseguir até o final. Várias câmeras serão utilizadas para proporcionar ao público vários ângulos.

No local, será montada uma estrutura com equipamentos em alta definição (HD) e link em fibra óptica, a fim de garantir qualidade na geração de imagens. O público poderá assistir à transmissão pelo canal 25 (NET), pelo aplicativo TV Mar (Android e iOS), no site Gazetaweb.com e nas páginas do Facebook da TV Mar e Gazetaweb.

“Esse trabalho conjunto entre a TV Mar e o portal Gazetaweb vem consolidando estes veículos na transmissão de grandes eventos, oferecendo aos telespectadores e internautas uma opção de conteúdo local diferenciado”, diz o gestor de Tecnologia da Organização Arnon de Mello, Kleiner Mota.

Trânsito

Mas quem quiser ir ao Estacionamento do Jaraguá deve ficar atento, já que um esquema especial foi montado pela Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) para garantir fluidez no entorno. Devido ao fluxo de veículos, agentes do órgão farão interdições.

A primeira acontece no início da Rua Sá e Albuquerque, impedindo que o movimento vindo da Pajuçara prossiga em direção local do festival – os veículos só poderão seguir pela rua no sentido Centro. O segundo ponto é na intersecção da Avenida Industrial Cícero Toledo com a Travessa dos Artistas.

Outra alteração acontece na rua entre o Banco Bradesco e a Associação Comercial, que será fechada no ponto em que há a junção com a Sá e Albuquerque. Os trechos começam a ser interditados a partir das 13h e serão liberados para o trânsito normal por volta das 23h.

Confira a programação completa do festival:

Dia 6

– Igbonan Rocha

– Wilma Araújo

– Léo Santana

– Cláudia Leitte

Dia 13

– Cheiro de Calcinha

– Vitor Pirralho

– Babado Novo

– Péricles

Dia 20

– Milane Hora

– Wado

– Mano Walter

– Zezé de Camargo e Luciano

Dia 27

– Unidade Nova Praia

– Fernanda Guimarães e Baque Alagoano

– Cidade Negra

– Nação Zumbi

Fonte: GazetaWeb

COMPARTILHAR