O Brasil está prestes a receber um importante aliado na comercialização de pacotes de viagem para destinos de turismo religioso. Em reunião do ministro do Turismo Marx Beltrão com representantes da Opera Romana Pellegrinaggi, maior operadora de viagens do segmento no mundo, foi aberto um canal de negociação entre os executivos italianos e brasileiros. O próximo passo é a elaboração de roteiros amplos que contemplem destinos religiosos e outros atrativos já consolidados. Ainda no Vaticano, em encontro com o Papa Francisco, o ministro fez um convite para que ele conhecesse os roteiros religiosos do Brasil.

No encontro com o Monsenhor Remo Chiavarini, diretor-gerente da Opera Romana Pellegrinaggi, Marx Beltrão argumentou que o Brasil é o país com o maior número de católicos batizados no mundo – 170 milhões de pessoas. Destacou que há uma série de opções de roteiros, manifestações e monumentos religiosos. Entre os exemplos, citou o Círio de Nazaré, que arrasta mais de 2 milhões de fiéis para Belém (PA), o Caminho Religioso da Estrada Real, que liga Caeté e Aparecida (SP), e a própria catedral de Aparecida, que já recebeu a visita de três papas, incluindo o Papa Francisco.

Só o turismo religioso doméstico gera 20 milhões de viagens em mais de 300 destinos brasileiros, movimentando cerca de R$ 15 bilhões. “Tenho certeza de que reunimos total condição de proporcionar uma ótima experiência turística mesmo para os visitantes mais exigentes”, comentou o ministro ao sustentar que ainda há um amplo espaço para o turismo religioso crescer no Brasil em âmbito internacional. De acordo com dados oficiais, apenas 30 mil visitantes internacionais vêm ao Brasil motivados pelo turismo religioso.

O representante máximo da Opera Romana explicou que, para justificar uma viagem de longa distância, o roteiro deve aliar destinos religiosos e atrativos consolidados. Como encaminhamento, o ministro se comprometeu a, junto com o trade turístico nacional, elaborar algumas propostas de pacotes turísticos ainda este ano e estabelecer uma ponte direta entre a agência oficial do Vaticano e operadoras brasileiras.

A missão oficial ao Vaticano faz parte de uma série de ações que o MTur tem adotado para reforçar esse segmento de uma forma geral e, mais especificamente, a Rota das Missões Jesuíticas, que une o Brasil, Argentina, Uruguai, Bolívia e Paraguai. Só este ano, o ministro esteve duas vezes no Rio Grande do Sul para tratar da estruturação e promoção do roteiro integrado. Na última ocasião, em agosto, foi assinado uma carta de adesão do Brasil ao Programa Global de Crédito, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), para a Integração Regional dos Países da Bacia do Prata. O valor total da iniciativa é de US$ 100 milhões para os cinco países.

COMPARTILHAR