Os servidores públicos de Maceió realizaram uma passeata no Centro de Maceió, na manhã desta quinta-feira (22), para marcar o início da greve por tempo indeterminado. A mobilização é para cobrar reajuste salarial. A greve geral foi decidida em assembleia geral realizada na última quarta-feira (14).

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Maceió e Região Metropolitana do Estado de Alagoas (SINDSPREF), Sidney Lopes, disse que 30% dos serviços estão sendo mantidos. “Ainda não sabemos como está a adesão, mas vamos fazer movimentos em unidades e secretarias para informar sobre a greve”, falou.

O sindicalista contou que a prefeitura pediu cinco meses para avaliar se poderia dar o reajuste salarial, mas o prazo acabou e nada foi decidido. “Agora pediram mais três meses. Não podemos ficar sem reajuste. Pelo balanço que nos apresentaram, há como dar aumento sem ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas falam que não tem dinheiro para o servidor”, reclamou.

Em entrevista o prefeito Rui Palmeira (PSDB) informou que vai descontar no salário as faltas dos servidores que não forem trabalhar.

Por meio de nota, a Secretaria de Gestão de Maceió (Semge) informou que, diante da crise, o município está trabalhando em medidas econômicas que possibilitem um reajuste salarial responsável e que garanta o pagamento da folha de pessoal em dia.

A Semge ressalta ainda que tem discutido permanentemente com os sindicatos, apresentado os números e solicitou mais um prazo de 90 dias, período em que espera uma melhora nos indicadores financeiros.

“A Prefeitura destaca ainda que, além dos salários, também tem mantido as progressões de carreira em dia, garantindo o direito dos servidores e buscando evitar perdas salariais dos funcionários públicos do município”, diz a nota.